Skip to content

Opiniões

escrito por: Alexandra Pacheco

27/06/2021

Soube pouco depois do teste de gravidez positivo que a partir daí toda a gente teria opiniões para me dar. No início não levei a peito, eram coisas inocentes, palpites sobre o sexo do bebé ou se iria chegar às 40 semanas.

Quanto mais a minha barriga crescia mais orgulhosa eu ficava. Sentia-me bonita, as pessoas diziam-me que eu estava bonita… A minha pele estava bonita (que é uma coisa impossível para mim, cheia de marcas e afins). Apanhei o namorido umas quantas vezes a olhar babado para a minha barriga. Foi uma fase fantástica…

Mas depois chegaram as últimas semanas de gravidez… O peso, o inchaço, o cansaço… E nada de sinais da rapariga querer nascer. Todos os dias alguém perguntava se já tinha nascido, se não devia já ter nascido, se eu não sentia nada… E claro, os treinadores de bancada davam mil receitas infalíveis para acelerar o processo (que diga se de passagem, tentei quase tudo e nada funcionou).

Fomos para indução. Tremi tanto de medo que na admissão a enfermeira não me conseguiu colar o adesivo do catéter no pulso. Correu tudo (dentro dos possíveis) da melhor forma. Estava nas nuvens, uma bebé linda, perfeita e saudável nos braços, um parto sem qualquer dor, sem cortes… Tudo era perfeito.

E depois viemos para casa.

Mal eu sabia que ia começar a verdadeira parte difícil. Os primeiros 2/3 meses são uma névoa. Foram dias e dias de exaustão, de choro (às vezes sem motivo). Descobri tudo aquilo que as mães não contam, todas as dificuldades que abafam. Chorei muitas vezes de dor ao amamentar a minha filha, sem entender… E ouvi que era normal, que tinha de doer, que tinha de ganhar calo. Chorei por passar o dia inteiro sem conseguir tirar o pijama e com ela na mama. Chorei por me sentir sozinha, precisar de desabafar e não ter com quem. Chorei por perceber como o meu corpo estava diferente, como o peso da gravidez não desapareceu depois dela nascer nem nas semanas seguintes.

Percebo agora toda a violência do pós-parto.

Estamos num dos momentos mais sensíveis das nossas vidas, em overload hormonal e temos um mundo completamente novo para enfrentar. Passamos a viver em função do bebé e deixamos de existir, para nós e para o mundo. Já ninguém nos diz que estamos bonitas, ninguém nos pergunta a toda a hora como nos sentimos, ninguém se preocupa em estarmos confortáveis. Perguntam pela bebé e ainda dizem “que tu agora já não importas” (brincadeiras que magoam com as hormonas à mistura).

E mesmo quando já passaram 6 meses, e achamos que está tudo controlado… Vem a fase de regresso ao trabalho, uma angústia horrível por rebentar aquela bolinha em que vivemos coladas durante 6 meses … E mais uma onda de opiniões.

“Não devias estar preocupada, ela até está melhor sem ti.” “Não a habituaste ao biberão? Ai devias” “Era pior se fosse para a creche, está em casa não te podes queixar”

“Engordaste, agora vê lá se fazes exercício” “Eu fiz assim e assado e o meu está bem”.

Ser mãe tem sido a experiência mais desafiante e mais enriquecedora da minha vida. Duvido muitas vezes de mim, tenho momentos de fraqueza e exaustão, tenho muitos momentos em que sinto uma solidão extrema… Mas também ganho forças que não sabia ter pela minha filha e encho o peito de orgulho porque hoje ela já aguenta uns segundos sentada sozinha.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.