Skip to content

Viagem

escrito por: Patrícia Lourenço

03/06/2021

A maternidade tem sido a viagem mais incrível da minha vida. Uma viagem com um ritmo muito próprio, com uma aprendizagem muito própria. Pode ser caótico ou maravilhoso. Na maioria das vezes depende de nós, de como encaramos a vinda de um bebé, como encaramos as mudanças que naturalmente passam a ser uma realidade. Ou nos adaptamos ou batemos de frente com elas. Quando é assim acabamos por sentir que nunca encaixamos verdadeiramente neste novo papel, tão importante, de amar e cuidar de um novo ser.

O maior desafio que a maternidade me trouxe foi perceber que tinha perdido o controlo. Foi saber lidar com as expectativas. Porque a maternidade é o maior exercício de humildade pelo qual já passei. Faz-me perceber que não sei tudo. É quase uma desconstrução de tudo o que aprendemos. Contudo, quando deixamos de ter medo de perder o controlo e nos deixamos ir pelo desconhecido, é quando a verdadeira magia acontece. É quando olhamos para dentro de nós, é quando passamos a aprender verdadeiramente a ver, a ouvir, a sentir. Temos um bebé que depende inteiramente de nós, apura-se o instinto e é necessário abafar o ruído exterior porque ninguém sabe melhor o que o nosso bebe precisa. É essencial confirmarmos em nós.

Depois é simples, é aproveitar cada momento, porque quando compreendemos que não controlamos tudo deixamos de ter um peso sobre nós. Sentimo-nos mais livres. O tempo passa demasiado rápido e eles crescem demasiado depressa. Não vamos fazer tudo bem, vão existir dias em que temos mais facilidade em lidar com todos os desafios da maternidade do que outros. Faz parte. Mas o importante é chegar ao final do dia e perceber que demos sempre o nosso melhor. Que o nosso bebé é amado e feliz. E juntos vamos crescendo lado a lado. Cada um a fazer o seu caminho, contudo um caminho que é feito em conjunto.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.
×

Subscrever newsletter