Skip to content

Carrossel

escrito por: Maria

01/07/2021

Custa-me escrever que este verão sou só eu, sem um minúsculo ser a crescer dentro de mim com todo aquele nervoso miudinho e segredos bons de partilhar. Os últimos 3 verões começaram assim, com uma feliz e esperada gravidez mas que terminava passado algumas semanas ou meses em aborto. Foram verões de tanta alegria mas mais tristeza, e de consultas, sustos, sangue, hospitais, mais consultas, imenso sangue, comprimidos, toneladas de sangue, e ainda mais tristeza. Três verões a ter todos os cuidados e três verões que nunca pareciam dar certo. Ponho a mão na barriga e sei que não está lá nada, nem vai estar, já decidimos, mas tenho de repetir para não me esquecer. Não suporto mais um aborto, não suporto ouvir de novo o médico, a cada ecografia, dizer “hmm” seguido de um silêncio demorado. De passar 12 horas com contrações e desmaios sucessivos, de ir para o hospital onde nos enfiam medicamentos e utensílios por nós acima sem explicações e sem nunca ouvir “como é que se sente?”, de sair da praia a correr com um mar de sangue e coisas variadas a escorrer por mim abaixo até à areia, de ouvir “eu já tive 10 abortos, isso passa, tens de continuar a tentar vais ver que consegues”. “Tens”?! Chegou-me bem a vez no hospital em que esvaziaram o que havia dentro de mim para um balde, ou quando o meu filho de 3 anos acordou assustado a meio da noite com o som da ambulância a levar-me sabia lá ele para onde, ou quando cheguei no 1º dia após confinamento ao escritório e senti tudo a fugir pernas abaixo. até ao chão. do escritório. em frente ao chefe. Já não quero mais este carrossel na nossa vida, nem no meu corpo. Posso decidir? Posso? Obrigada.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.