Skip to content

Culpa ao contrário

escrito por: Sara Abreu

07/06/2021

Depois surge um espaço onde me posso expressar livremente, sem julgamentos, e durante dias não consigo dizer ou escrever nada porque no meio de tantas mães cansadas, revoltadas, tristes até, eu sinto precisamente o oposto e acho que se não for para me queixar, o que tenho para dizer não tem lugar. Como se fosse ofender alguém por dizer que o meu bebé de 6 semanas me deixa dormir à noite, que o meu marido divide absolutamente tudo comigo e não me deixa ficar exausta nem sentir o peso do mundo aos ombros.

Como se por dizer alto que – contra todas as minhas expectativas – estou feliz, que não me sinto exausta e que a adaptação à nossa nova vida está a ser mais orgânica e natural do que alguma vez pensei possível fosse estragar, mudar a minha sorte. Shhhiu, não agoires.

Mas por que será que tenho vergonha em ser feliz? De onde vem esta culpa por estar tudo bem? Por que é que não me sinto merecedora de tanto e, se não for para dizer que tudo me custa, prefiro estar calada?

Por que é que sinto que se não estou exausta certamente não estou a fazer algo bem?

(Pronto. Agora que escrevi isto é que vai tudo mudar, não é?)

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.