Skip to content

Não existo

Não existo

Anónimo
22/03/2022
O minuto em que tenho o privilégio de existir. Não lavo os dentes, não ponho o aparelho de contenção. Muitas vezes não tiro as lentes de contacto. Já nem tenho um par de lentes extra, ai se perco estas. Sou muito míope e nunca mandei fazer os óculos. Adormeço-a.

É agora

Anónimo
23/02/2022
Passámos a ser o casal que não merecia o convite para ir ao parque porque não temos crianças, o casal que não tem tanto carinho da família porque não tem crianças, o casal que não tem férias partilhadas com amigos porque não tem crianças, o casal que tem o dever de telefonar mas que não tem o privilégio da retribuição.

Os casados não estão mortos

Andrea Guerreiro
26/11/2021
Atrás desta cortina de silêncio, escondem-se histórias de mulheres que não têm um orgasmo há anos, sexo por obrigação, fantasias não concretizadas, gostos desalinhados, dificuldades crónicas de comunicação. A única coisa de que vamos falando em sociedade é da falta de líbido, agudizada no pós-parto (quanto tempo dura um pós-parto mesmo?). E quando se prolonga indefinidamente, será um diagnóstico ou um sintoma?

O que estamos a fazer?

Alexandra Simões
24/11/2021
Claro que o amor não chega, claro que as relações dão trabalho, exigem sacrifícios e cedências. Mas não consigo deixar de me preocupar com a possibilidade de, nalgum momento, a balança passar a pesar mais de um dos lados.

Ode à dificuldade

Joana von Bonhorst
03/09/2021
A vida de um casal depois de ume filhe não é a mesma e disto ninguém fala. Já se fala de muita coisa, de muito assunto que era tabu, secreto e guardado a sete-chaves.

Há coisas que ninguém sabe

Anónimo
03/09/2021
Acredito que seja confuso ou até inconcebível para quem vê de fora. É difícil explicar a ambiguidade de sentimentos – tal como na maternidade – quando se ama mas se quer voltar a ser livre (como se não houvesse liberdade nisto).

A dois

Alexandra Pacheco
02/06/2021
Não questiono por um segundo o amor pela minha filha ou a decisão de a ter.. Mas isso não torna mais fácil os dias em que ela passa 23h colada a mim.

Livres como os pássaros

Joana Filipe
17/05/2021
Por quatro anos, a família de passarinhos com quem partilhamos a morada seguiu o seu curso, voltando para depois partir, partindo para depois voltar.

Uma fase

Sara Abreu
14/05/2021
A nossa relação evoluiu para um lugar bonito mas a minha vida sem filhos era boa, livre, e não sentia vontade de mudar isso.