Skip to content

Hoje como há 15 anos

escrito por: Anónimo

04/11/2021

Hoje como há 15 anos.

Estou sentada na cama do meu quarto na casa onde vivi com os meus pais até há 10 anos atrás. Ouço a minha mãe que chora deitada no quarto dela, depois de termos discutido, hoje como há 15,14,16 anos. Hoje como tantas outras (demasiadas) vezes. A única diferença é que hoje a minha filha dorme ao meu lado.

A conclusão fácil é que foi melhor eu ter saído de casa (quantos choros lhe devo ter poupado)?

As conclusões difíceis são várias: continuamos a não conseguir comunicar de tão parecidas que somos; a minha mãe não é feliz; em breve vou voltar para a minha cidade e para perto da minha mae que agora é avó. Como, como é que eu vou conseguir gerir isto? 

Não estava preparada para a chapada que é rever a minha infância e o meu crescimento com outros olhos. As coisas que demorámos tanto a resolver, a enterrar, a meter para trás das costas afinal guess what? Estavam lá só à espera de serem acordadas. Da parte da minha mãe houve tantos erros, tanto esforço, tanto amor cru, tanta autonomia,  tanto sofrimento (escondido), tanta necessidade de um modelo que não existiu. 

Da minha parte agora existe medo concreto, real de não conseguir controlar a nossa parecença, de não conseguir ser melhor para a minha filha, de já não conseguir ser melhor filha perto do que sou ao longe.

Eu tenho uma mãe deprimida, a minha filha tem uma avó feliz e vamos voltar ao início de tudo. 

E agora?

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.