Skip to content

Instinto

escrito por: Catarina Neves

27/05/2021

O meu instinto maternal nunca foi muito óbvio. Nunca fui daquelas pessoas que dizia desde pequena que queria ser mãe. Mas também nunca disse o contrário. Fui deixando o tempo fluir, sempre com um “para já não quero ter filhos”. Até que quis.

Engravidei, e um mês depois de saber que estava grávida, a pandemia rebentou em Portugal. Tive mil dúvidas e mil receios. Não só pela pandemia, mas também pela minha ansiedade em garantir que estava tudo bem.

Por causa disso, não fui uma grávida descontraída. Não me interpretem mal, eu estava muito feliz. Mas a par dessa felicidade, também tinha muito medo. Cada ecografia (em que tinha de ir sozinha, porque nunca foi permitido que o pai do bebé me acompanhasse) era um sobressalto. Respirava de alívio quando saía do hospital, mas à noite todas as dúvidas, medos, ansiedades surgiam na minha cabeça. Dizia muitas vezes que gostava que a barriga fosse transparente para ver que estava tudo bem com ele ali dentro.

Os meses foram passando, a barriga crescendo e a minha ansiedade de o ter nos braços também. Ele nasceu. Pequenino, pequenino como um Nenuco. Mas saudável.

E eu, que achei tantas vezes, que ia demorar mais tempo a amar o meu bebé, apaixonei-me à primeira vista. Foi (é) um amor avassalador. Agora questiono-me como pude duvidar da minha capacidade de amar. Da minha capacidade de ser mãe. Afinal, o instinto maternal sempre esteve lá. Mas só agora o pude, realmente, descobrir.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.