Skip to content

Mãe doente

escrito por: Maria João Nunes

02/06/2021

Neste último inverno deparei-me com um anúncio que me causava muito desconforto.

Uma conhecida marca de antigripais vendia o seu medicamento com a mensagem de que as mães não podem ficar doentes.

Efetivamente é muito chato estar doente mas bolas, ser mãe não nos confere nenhum super poder (até confere…)

Este anúncio chateia-me muito porque, a meu ver, dá a entender que não temos direito de adoecer e, que se adoecermos, não há cá tempo para recuperar. Um comprimido para o bucho e marcha.

Muitas vezes é o que acabamos por fazer. Ora por questões laborais ora por falta de uma rede de apoio.

Mas paremos um minuto de romantizar a ideia de que as mães não precisam de descanso, não precisam de convalescença. É errado. Coloca uma pressão imensa em cima de nós sem necessidade.

Cuidemos de nós para podermos cuidar bem deles.

Parar e respirar longe deles, quando é preciso, é um ato de amor por nós próprias mas também pelos outros.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.
×

Subscrever newsletter