Skip to content

O segundo pós-parto

escrito por: Sara Xavier

09/06/2021

Tudo muda quando fazemos xixi num pauzinho e ele nos diz que estamos grávidas, alguns até nos dão as semanas prováveis. Pelo menos para mim, tudo mudou, logo aí, os dois no wc em êxtase porque eu fiz xixi num pauzinho e isso dizia que eu estava grávida.

Depois, tudo muda para o mundo, quando anunciamos aos outros aquilo que nós os dois já sabíamos. Entramos no famoso “estado de graça “ em que todos os dias alguém nos pergunta como estamos, como nos sentimos, onde nos dizem que estamos bonitas.

Depois o bebé nasce, e nós nascemos com ele mas quando o bebé está cá fora, finalmente existe para todos e não apenas para nós, nós “a grávida “ passamos para os bastidores quando ainda precisamos de tanto palco…quando ainda precisamos do carinho do público.

E o pós-parto entra com a velocidade de uma murraça nos queixos e nós ficamos neste modo de sobrevivência onde a nossa é deixada para segundo plano, pois somos totalmente responsáveis e responsivas à nossa pessoinha pequenina. Vivemos para eles 24/7, fazemos xixi (e outras coisas) com eles ao colo, comemos com eles ao colo, dormimos com eles no nosso peito, acordamos as vezes que forem necessárias, fazemos a nossa total doação àquele ser por forma a garantir que está nutrido, por dentro e por fora.

Até que um dia, temos que voltar ao trabalho, à vida que tínhamos antes do xixi no pauzinho. E temos que voltar com todas as capacidades que demonstrámos ter e agora ainda mais, porque agora somos mães e as mães podem tudo. Porque toda a gente sabe que as mães não são mulheres, são mães porra! Somos o terceiro género:homens, mulheres, mães.

Tenho que voltar e tenho que deixar a minha filha com terceiros, para que a acompanhem, para que eu possa trabalhar, para lhes pagar o seu trabalho e eu não sei como vou fazer isto. Parece que vivo novamente a indução: não é o que queremos, nós as duas não estamos preparadas, mas é o que tem que ser.

“Mas vais ver que te custa mais a ti que a ela!” Como, pergunto? Ela é dona e senhora do meu colo e do meu dia, na creche será só mais uma bebé. Ela que passa as 24h do seu dia, passará a ver-me substancialmente menos. Ela, que tem na mama o consolo, o alimento, o colo, vai ter que arranjar outras formas de se consolar.

Como é que isto se faz? Como é que nos exigem que sejamos tudo para os nossos filhos durante 4, 6, 8 meses e depois “vá vá, que a vida não é só ter bebés e a sociedade espera que a tudo o que já tinhas antes nos ombros, juntes agora a maternidade “. O que é que fazemos com esta frustração, onde sentimos que em todo o lado falhamos?

Aqui estou eu, a marcar roupas com etiquetas termocolantes e não paro de chorar, como se mandasse a minha filha para a guerra e não apenas para a creche. Porque eu não sei como isto se faz, como não sabia o que fazer no primeiro dia sozinhos em casa com ela.

Ladies and gentlemans: bem vindos ao pós-parto 2.0

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.