Skip to content

Relato de Parto

escrito por: Anónimo

04/03/2022

Li dezenas de planos de parto, informei-me e escrevi o meu. Mas ainda faltavam duas semanas, por isso não precisava de imprimir já.

As consultas com a minha obstetra, eram mais conversas profundas entre duas amigas do que propriamente consultas médicas. Acabámos por nunca falar tecnicamente dos meus desejos para o parto.
Perguntei-me várias vezes ao longo da gravidez, se me poderia estar a escapar algo. Amigas minhas estavam a ser seguidas no privado, eu no público e recomendavam-lhes mais análises, mais suplementos, e a mim não… e eu ficava ansiosa: estou a ser bem seguida? O meu instinto, mesmo que por vezes muito ténue, dizia-me que sim.

Estava de 38 semanas e 6 dias, era lua cheia. Comecei a sentir contrações ritmadas, a minha obstetra diz “as águas não precisam de rebentar, se tiveres contrações com dor vai para o hospital”, dizia a mim mesma que não era nada, e que ainda faltavam duas semanas.

Às 5 da manhã acordo com dores, o meu namorado diz que temos de ir. Desvalorizei… fui tomar banho, lavar o cabelo, secar o cabelo, e fui a pé para o hospital sem sequer levar a mala de maternidade.

Quando entro nas urgências, dizem-me “não sei como você está assim, isto está quase a acontecer”. Ainda respondi: “pois, faltam uns dias não é?”. Passado 2 horas, nasceu a pessoa mais incrível que já conheci na vida. Parto natural, sem epidural, sem laceração, sem pontos. Numa sala só eu, a obstetra, a enfermeira parteira e o meu namorado.

O tal plano de parto nunca foi impresso, mas a minha obstetra não precisou: foi-me conhecendo ao longo das semanas de gravidez onde falámos de tudo menos do parto. Mesmo perante uma equipa de colegas a precisar para uma cesariana, por um CTG “tão mau como não via há muito tempo”, segundo as suas palavras. Disse-me que teve vontade de desligar o monitor, porque sentia que tudo estava bem.

Estive em êxtase durante 3 dias, nunca tinha sido tão feliz. Aliás, em comparação, nunca tinha sido feliz antes.
Foi assim o início da maior história da amor da minha vida.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.