Skip to content

Solidão

escrito por: Anónimo

11/09/2021

Ninguém/nada nos prepara para a maternidade!” – esta é a grande verdade! Se por um lado, há este amor imenso que me inunda e às vezes quase me consome – será que vou ser capaz de cuidar deste amor? serei merecedora de tamanho tesouro? – por outro, a solidão é a agora a grande companhia. Os dias passam lentamente rápido, na azáfama das coisas para fazer e do cuidar constante. De repente, olho e já passou mais um dia, mais uma semana, mais um mês… como, se ainda não consegui voltar a ser um bocadinho eu ou para mim?

Os problemas do casal antes do bebé continuam cá, mas agora não só não se dissipam nos momentos românticos e de namoro (que são para lá de poucos e sempre com os olhos enevoados de cansaço), como passaram para os últimos lugares da lista de prioridades (o último lugar é o meu, claro!), mesmo antes da tarefa de passar a ferro. A distância entre nós cresce à velocidade silenciosa com o que tempo passa. Coisas que não se dizem para não ferir o outro, mas que ficam cá dentro a ferir-nos as entranhas. E a dor da solidão começa a tomar espaço. Não expressar torna-se a minha especialidade. Virar-me para dentro, encolher-me, espremer-me até não haver mais eu.

Algumas vezes, a depressão, companheira dos anos antes da maternidade, dá notícias. Como aquela mensagem aparentemente indefesa em tom shanti shanti – “ai, tenho andado a pensar tanto em ti” – mas que vem com intenção de mexerico e de se deixar ficar. E a essa eu digo que “está tudo bem; um pouco cansada mas é uma fase” para ver se ela vê o dedo médio nas entrelinhas, se toca e vai embora. Mas nesses dias, a vontade é de calçar as sapatilhas, sair para correr e só parar daqui a três anos. É de tomar três capuccinos seguidos depois das 3 da tarde sem ter medo de perder o sono. É ir à Feira do Livro, vir de lá com um daqueles sacos com rodinhas de ir às compras que os velhotes usam mas cheio de livros e sentar-me a lê-los. É de ver uma chachada qualquer no Netflix, jantar chocapic e ver mais umas quantas chachadas à sobremesa. 

A solidão está cá sempre. Já estava antes mas contornava-se. Agora é gritante. E sufoca. E apaga-me. E estamos todes tão ocupades a estar sozinhes, que não há com quem partilhar estes sentimentos, com quem desconstruir estes pensamentos, com quem me sentir fazer parte.

outras entradas no diário

Amor em letras (i)números

Margarida Carrilho
04/04/2022
Mas nos dias em que penso muito o que mais penso é no peso desta dança descompassada Mas que é bela, tão bonita É mar profundo e escuro

Um dia normal

Marta Cruz Lemos
03/04/2022
Barriga cheia, senta entre nós, brinca com a caixinha de tralhas que já tenho a postos na mesa de cabeceira, canta, pede abraços, dá beijinhos. Aguenta uns 20 minutos até termos de nos levantar à pressa, que o senhor quer explorar e não quer ir sozinho.

um dia bom

Maria Veloso
01/04/2022
Acaba março, não sinto aquela excitação do costume, nem com a mudança da hora. Não houve inverno, houve pandemia. Não há dias normais.